Pobreza e desigualdade, restrições importantes no caminho para a educação inclusiva

A educação é um dos pilares fundamentais para a construção de sociedades inclusivas com maior igualdade de oportunidades. No entanto, existem fatores sociais, econômicos e culturais que podem favorecer ou prejudicar o alcance da equidade e da inclusão na educação, conforme observado no Relatório GEM da UNESCO.

Os dados apresentados no Relatório GEM 2020 mostram a lacuna no acesso à educação que limita as oportunidades das crianças em situação de pobreza, muitas das quais não podem frequentar a escola, e as que frequentam estão na desvantagem em comparação com alunos que vêm de famílias ricas ou de renda mais alta devido a vários fatores, como desnutrição ou falta de recursos materiais para desenvolver sua aprendizagem.

A esse respeito, o relatório mencionado indica que em 30 países de renda baixa e média, 41% das crianças menores de cinco anos pertencentes aos 20% mais pobres das famílias estavam desnutridas. Ou seja, mais do que o dobro da taxa dos 20% mais ricos, o que prejudica consideravelmente as oportunidades de se beneficiarem da educação.

Revela também que cerca de 258 milhões de crianças, adolescentes e jovens, ou seja, 17% do total, não vão à escola. Além disso, indica que há disparidades consideráveis ​​nas taxas de frequência com base no nível socioeconômico. Em 65 países de renda baixa e média, a diferença média nas taxas de frequência entre os 20% mais pobres e os 20% mais ricos das famílias era de 9 pontos percentuais para meninos e meninas em idade escolar, 13 para adolescentes em idade de ensino médio e 27 para jovens em idade de ensino médio.

Nesse sentido, observa-se que a pobreza afeta a frequência, a conclusão e as oportunidades de aprendizagem. Em todas as regiões, exceto Europa e América do Norte, para cada 100 adolescentes dos 20% mais ricos das famílias, 87 dos 20% mais pobres frequentaram o ensino médio e 37 o concluíram. Destes últimos, para cada 100 adolescentes dos 20% mais ricos dos domicílios, cerca de 50 atingiram um nível mínimo de proficiência em leitura e matemática.

Desta forma, o relatório recomenda «focar o financiamento naqueles que foram deixados para trás: não existe inclusão quando milhões de pessoas não têm acesso à educação», destacando que os governos precisam de uma abordagem em duas vertentes que aloque fundos gerais para promover uma ambiente de aprendizagem inclusivo para todos os alunos, bem como financiamento direcionado para seguir o mais longe possível o mais cedo possível.

Por fim, não devemos esquecer que só podemos falar em igualdade de oportunidades quando todas as crianças, adolescentes e jovens do mundo têm as mesmas possibilidades educacionais, independentemente de sua origem social ou cultural, ou de sua condição econômica. Só progrediremos em direção a uma sociedade inclusiva se quebrarmos as barreiras que dividem as pessoas em ricas e pobres desde o início de suas vidas.